28 de set de 2013

CONQUISTA PARA RELEMBRAR

veja.abril.com.br
Em 30 de setembro de 1993 o Botafogo teve a única conquista internacional de sua gloriosa história. O time que levantou o troféu da Copa Conmebol não foi, nem de longe, o melhor que o torcedor alvinegro já assistiu. Pelo contrário, era uma equipe bem limitada. Entretanto, o feito se tornou marcante pelo ineditismo. No banco de reservas, um nome de grife para comandar o glorioso na segunda edição deste torneio: Carlos Alberto Torres.
Dezesseis equipes participaram da competição que foi disputada em sistema mata-mata. Nas oitavas-de-final, o Botafogo derrotou duas vezes o Bragantino (3x1 no Caio Martins e 3x2 em Bragança Paulista). Nas quartas-de-final, mais duas vitórias diante do Caracas da Venezuela (1x0 fora e 3x0 no Caio Marins). Na semi-final da Conmebol o adversário foi o Atlético-MG. O time perdeu no Mineirão (3x1) e venceu no Caio Martins (3x0).
A decisiva partida foi disputada no Maracanã. Após ter empatado no Uruguai por 1x1, o time liderado pelo atacante Sinval, que foi o artilheiro da competição com 8 gols (o time teve o ataque mais positivo com 17), empatou por 2x2 e levou a decisão para os pênaltis. O jogo teve tons de dramaticidade, já que o alvinegro vencia até o minuto final quando sofreu o gol de empate.
A decisão por pênaltis consagrou William Bacana. O goleiro pegou duas cobranças uruguaias e se tornou o herói da conquista. Os 3x1 nas penalidades foram como um presente para este jogador que, curiosamente, só se tornou titular da posição na segunda partida da semi-final, contra o Atlético-MG. Até então, Carlão era o dono do gol do Botafogo. O time que disputou a finalíssima no Maracanã tinha: William, Eliomar, André Santos, Rogério Pinheiro e Clei; China, Perivaldo e Fabiano; Aléssio, Sinval e Eliel.


Nenhum comentário: